quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ações dependem de pressão

Publicado no Jornal do Commercio, em 17.09.2011.

Apesar da possibilidade da compensação ambiental por conta dos grandes projetos, o que consta no Complexo de Suape é o descumprimento dos acordos nesta área. Nos últimos 10 anos, dez grandes empreendimentos provocaram a supressão de 365,36 hectares de mangue, restinga e mata atlântica. De todos esses, apenas um realizou as contrapartidas acordadas. A informação está em relatório da Agência Pernambucana de Meio Ambiente (CPRH) apresentado por exigência do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema).

O próprio Porto de Suape não tem honrado termos de compromisso ambiental. Foi necessária a intervenção dos ministérios público federal e estadual para que a empresa apresentasse um plano para zerar o passivo, estimado hoje em 210 hectares de área desmatada no complexo.

Acostumado a lidar com polêmicas envolvendo a instalação de usinas de energia, o consultor Antonio Fernando Pinheiro Pedro defende que a instalação de uma termelétrica que vai jogar milhares de toneladas de gases estufa na atmosfera – segundo estudiosos do setor – pode ter os efeitos mitigados. “Tudo depende das contrapartidas sociais e ambientais que o governo está disposto a exigir do grupo investidor”, comenta Pedro, que, entre outros embates, já defendeu empresas interessadas em operar na polêmica hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Ele defende que é natural haver discordância na instalação de qualquer empreendimento gerador de energia. “É um assunto conflituoso que sempre gera descontentes.” Mais adiante, ele fala da importância da postura do Estado. “O papel do governo é determinante na instalação ou não de um empreendimento como este.”

Na visão do consultor, usinas termelétricas funcionam como um grande “no brake” dentro do sistema elétrico. “É um empreendimento que gera toneladas de poluição, mas há equipamentos que podem reduzir este impacto, com controle de emissão e melhoria contínua de qualidade, que no entanto não evitam o gás carbônico.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário